História.

Para existir, o rádio amador deve ter acesso ao espectro de radiofrequência. Sem ele, nosso equipamento de rádio é como um automóvel sem estrada ou um barco sem água – interessante de se ver, talvez, mas totalmente inútil. 

O rádio amador existe para fins de autotreinamento, intercomunicação e investigações técnicas. Para atingir esses objetivos amplos, os amadores devem ter acesso razoável ao espectro de rádio, das frequências mais baixas às mais altas. No entanto, o acesso ao espectro é uma mercadoria cada vez mais valiosa. Os interesses comerciais pagam de bom grado bilhões de dólares pelo acesso às frequências de que necessitam para poderem vender serviços de telecomunicações. O espectro de rádio é tão valioso que mesmo os usuários governamentais e militares estão sob grande pressão para abrir mão das frequências para exploração comercial. 

Em tal ambiente, como nós, radioamadores, podemos defender e expandir nosso acesso ao espectro? Por definição, nosso interesse pelo rádio não é financeiro. Dificilmente podemos competir, dólar por dólar, com interesses comerciais. Nem podemos competir com eles por atenção; nossas vozes individuais são muito fracas para serem ouvidas sobre suas reivindicações extravagantes e lances frenéticos. 

O futuro pode parecer sombrio, mas lembremo-nos disso: já aconteceu antes, e o rádio amador sobreviveu e prosperou. 

No início da década de 1920, era geralmente assumido que a radiocomunicação só poderia ocorrer em longas distâncias usando ondas muito longas – quanto menor a frequência, melhor. Antenas muito grandes e potência muito alta eram a regra nas estações comerciais e governamentais. Então, radioamadores descobriram que os sinais de ondas curtas podiam ser ouvidos em todo o mundo. A corrida logo começou a explorar esse fenômeno recém-descoberto. Radioamadores, as mesmas pessoas cujos experimentos revelaram o valor das ondas curtas em primeiro lugar, corriam o grave perigo de serem deixados de lado. 

Na época, eram poucos os países nos quais os radioamadores haviam conseguido se organizar em associações nacionais. Em muitos países, a operação de rádio amador foi ativamente desencorajada ou mesmo ilegal. Felizmente, houve indivíduos perspicazes que entenderam o problema e conseguiram encontrar uma solução. Em 1925, eles se encontraram em Paris e criaram formalmente a International Amateur Radio Union, ou IARU. 

Inicialmente, a IARU tinha membros individuais. Uma vez que houvesse membros suficientes em um determinado país para fazê-lo, uma seção da IARU seria formada. Logo havia seções suficientes da IARU que se tornou uma federação de associações nacionais. 

O primeiro grande desafio para a IARU ocorreu em 1927 na Washington International Radiotelegraph Conference. Radioamadores facilmente poderiam ter sido forçados a entrar em bandas que seriam muito estreitas para suportar o crescimento futuro. Em vez disso, foram conquistadas alocações que ainda hoje conhecemos como 160, 80, 40, 20 e 10 metros, com uma faixa de 5 metros que foi movida para 6 metros após a Segunda Guerra Mundial. As outras bandas amadoras que agora desfrutamos foram o resultado de décadas de esforço paciente por meio da IARU. De menos de 30.000 rádios amadores licenciados em 1927, o movimento do rádio amador cresceu para três milhões. Dos representantes de 25 países que formaram a IARU em 1925, a IARU cresceu para incluir 160 associações nacionais representando praticamente todos os países com amadores suficientes para formar uma organização. 

Radioamadores individuais apóiam o trabalho da IARU por meio de sua participação em sua própria sociedade nacional de membros da IARU. Esse apoio é vital para o futuro do rádio amador. A IARU é reconhecida pela International Telecommunication Union (ITU) como representante dos interesses dos radioamadores em todo o mundo. É a nossa voz nos escritórios e salas de reunião da UIT e das organizações regionais de telecomunicações, onde são tomadas as decisões que afetam nosso futuro acesso ao espectro de rádio. 

Os representantes da IARU nessas reuniões são voluntários. Os orçamentos combinados da IARU e de suas organizações regionais chegam a apenas alguns centavos por mês por rádio amador licenciado. Infelizmente, nem todos os radioamadores são membros das sociedades membros da IARU, então o fardo recai sobre aqueles que são. 

Todos os radioamadores licenciados se beneficiam do trabalho da IARU, sejam ou não membros de sua sociedade nacional membro da IARU. Mas todo radioamador licenciado  deve ser  um membro. Somente unindo nossos esforços dessa forma podemos garantir a saúde futura do radioamadorismo, para nós mesmos e para as gerações futuras.

Aqui estão algumas das realizações da IARU:

  • Banda de 21 MHz globalmente (WARC 1947) 
  • Criação do Serviço Amador de Satélites (WRC-Space 1971) 
  • Bandas de 10, 18, 24 MHz globalmente, banda de 1,8 MHz aprimorada (WARC 1979) 
  • Mais bandas de satélite amador, alocações de microondas (WARC 1979) 
  • Extensão de 7 MHz (WRC 2003) 
  • Flexibilização de algumas restrições para facilitar as comunicações de desastres (WRC 2003) 
  • Banda de 136 kHz globalmente (WRC 2007) 
  • Banda de 472 kHz globalmente (WRC 2012) 
  • Pequena banda global de 5 MHz (WRC 2015)
  • Alocação de 50 MHz na Região 1 (WRC 2019) 
  • Melhorias no roaming internacional para radioamadores
  • Reconhecimento de comunicações de emergência amadoras, importância dos padrões EMC para proteger os serviços de rádio contra interferências

Uma perspectiva informativa mais detalhada sobre o desenvolvimento da IARU desde sua fundação inicial até 1993 pode ser encontrada em um artigo de Dick Baldwin, W1RU, presidente da IARU de 1982 a 1999 e antes disso como secretário por seis anos. O manuscrito original está disponível aqui — note que está sendo transcrito para um tipo de letra mais moderno e legível e será substituído no devido tempo.

Fonte: https://www.iaru.org/

By unopr

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *