Por DECEA

(Trecho do livro “História do Controle do Espaço Aéreo“, publicado pelo DECEA)

Desde quando usada a radiofonia por militares e por radioamadores, surgiu a necessidade de se soletrar palavras em virtude de a estática dos primitivos rádios em onda curta frequentemente tornar ininteligíveis certas palavras. 

Cada “tribo” inventou um alfabeto fonético, isto é, palavras de fácil compreensão em meio ao ruído do rádio para soletrar siglas, prefixos de aviões ou palavras como nomes de pessoas e de localidades. Os radioamadores adotaram nomes de cidades (A de Amsterdam, B de Bélgica, C de Cairo…). Cada Força Aérea adotou o seu, de acordo com o idioma nativo. A Força Aérea Americana, na década de 30, adotou o lendário ABLE, BAKER, CHARLIE etc. No Brasil, adotamos o da Marinha (AFIR, BALA, CRUZ etc.). 

Em 1949, a OACI promoveu a Conferência sobre Telecomunicações Aeronáuticas, em Montreal, Canadá. Lá, a Delegação Brasileira, Chefiada pelo então Capitão Gustavo Borges, foi surpreendida por uma proposta americana: adotar o alfabeto da Força Aérea dos Estados Unidos (USAF), para uso universal. 

Descontente com a perspectiva de ter de pronunciar, em português, EIBEL para a letra A, BEIQUER para a letra B etc., o Capitão Borges, fluente em francês, inglês e espanhol e com o auxílio de dicionários, se trancou em seu quarto de hotel por um final de semana entre as duas sessões da Conferência e elaborou um alfabeto fonético que melhor atenderia às nossas demandas. 

Basicamente, esse alfabeto foi construído a partir de quatro princípios e algumas premissas. 

Os Princípios: 

  • Que as palavras fossem dissílabas;
  • Que o significado e a pronúncia fossem idênticos nos três idiomas oficiais da OACI; 
  • Que só fossem trissílabas quando inviável o primeiro princípio; 
  • Que houvesse o mínimo de casos especiais. 

As Premissas: 

  • Letras gregas seriam aproveitadas ao máximo, pelo seu uso difundido na matemática, excluídas as monossílabas (Rô, PI etc.); 
  • Nomes de capitais e países, desde que dissílabos — eram também aproveitáveis aqueles pronunciados com ínfimas diferenças nos três idiomas (LIMA, PARIS, QUEBEC, ROMA, ÍNDIA, JAVA); 
  • Nomes de coisas ou objetos de popularidade notória (COCA, WHISKEY, HOTEL etc.). 

Logo surgiram algumas objeções e todas as palavras foram submetidas a teste acústico em laboratório da Universidade de Montreal, no qual 30 alunos, de diferentes nacionalidades, recebiam nos fones as leituras das letras em meio a ruído de fundo imitando a estática normalmente captada nas transmissões de rádio em HF. Desse trabalho, resultou uma segunda sugestão do alfabeto. 

A primeira publicação no Brasil ocorreu pela Notícia Técnica NT-T-107, da Diretoria de Rotas, em 30 de abril de 1954. Após essa data, a OACI introduziu sucessivas modificações para o aperfeiçoamento da inteligibilidade das letras, resultando numa terceira sugestão. Assim, o alfabeto universal originou-se de uma ideia brasileira e hoje é adotado em quase todas as Forças Armadas, Policiais, Bombeiros etc.

Imagem adaptada a partir da original em https://pt.slideshare.net/SaoBrazil/historiadocontrole
Fonte: 

Este excelente livro pode ser baixado por este link.

Receba em primeira mão as notícias publicadas no QTC da ECRA!

Se você usa Whatsapp, acesse ZAP.ECRA.CLUB

Se você usa Telegram, acesse TELEGRAM.ECRA.CLUB
Ou siga o QTC da ECRA no Twitter: TWITTER.COM/QTCECRA

Fonte: https://qtc.ecra.club/2023/05/alfabeto-fonetico-internacional.html

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *